Frequently asked questions

Quem tem esse tipo de problema?


Pesosas que se relacionam com pares narcisistas/egoístas, mas principalmente mulheres e crianças, uma vez que vivemos numa sociedade patriarcal.




5 características do relacionamento abusivo


  1. O par é controlador (ciumento) em excesso
  2. Relaciona-se de maneira agressiva
  3. Exploração financeira sorrateia (sempre com desculpas convincentes)
  4. Corte gradativo de relacionamentos com outras pessoa, inclusive familiares
  5. Não leva em consideração suas necessidades: você se torna um objeto na relação
Quando confrontado, o par pode tanto ficar agressivo como pedir desculpas excessivas e fazer promessas de que aquilo não se repetirá.




Como se descobre que está com esse tipo de problema?


Quando não percebemos que, gradativamente, nossos relacionamentos vão ficando mais violentos e/ou possessivos nos aspectos:

  1. emocional
  2. sexual
  3. financeiro
  4. afetivo
  5. psicológico
e passamos a diferenciar cada vez menos amor de abuso.
Descobrir, portanto, significa que já estamos em um!




Quais são as soluções disponíveis?


Trata-se de um processo onde primeiramente é necessário ACREDITAR no que está percebendo, NÃO ACREDITAR em promessas do tipo "isso não vai se repetir", em desculpas elaborada e convincentes.
Para a partir daí ser capaz de:

  • compartilhar sua percepção com alguém de confiança
  • preservar-se
  • denunciar, em casos graves
  • buscar ajuda profissional




Qual é a melhor solução?


SEMPRE, a ajuda profissional que pode ser multidisciplinar envolvendo psicoterapia e aconselhamento judicial.
Buscar todo o fortalecimento pessoal possível, para o caso de um desfecho menos favorável.




Quais são os esforços para atingir uma melhora significativa?


Como o diálogo entre os pares atinge sempre o nível do desgaste extremo é necessário num primeiro momento encontrar um intermediador de confiança para expor a situação fora do contexto do par numa primeira vez. Isso ajuda no controle e inibição da agressividade do abusador e favorece que ele "escute" e não apenas fale. Sendo esse intermediador reconhecido pelas partes ele pode funcionar como um facilitador da busca profissional, própriamente dita. Estamos aqui falando da Terapia de Casal.




Em quanto tempo se percebe melhora significativa?


Não há como prever esse tempo porque o desenrolar da terapia está atrlado a fatores anteriores como:

  • o tempo de evolução da relação abusiva
  • o grau de narcisismo ou sociopatia do abusador
  • o afeto sobrevivente ao tempo de desgaste




Por que sou a melhor solução?


A experiência e expertise no manejo psicoterapêutico atuam como principais facilitadores na avaliação do "estado" da relação, ou seja, otimiza o tempo da avaliação do conteúdo mencionado, que por sua vez é a chave para a elaboração de um "novo contrato de relação". Bem como a consolidação desse contrato.




O que relatam as pessoas que já tiveram a melhora?


Os relatos referem, principalmente, por parte:

  • do abusado > demonstra a experiência do alívio e relata ainda a sensação da "descompressão" no dia a dia.
  • do abusador > ao contrario do que se poderia imaginar, refere sentir-se mais confiante do que quando necessitava exercer todos aqueles controles, e menos isolado, uma vez que, no bom prognostico, eleconsegue discernir a solidão em que vivia e compara com o que costuma-se chamar de "vida compartilhada". Ou, vida a DOIS.